O endividamento dos governos, das empresas e das pessoas

Assis Moreira (Valor, 21/01/19) informa: com a dívida global perto de US$ 250 trilhões, o mundo nunca esteve tão endividado. A discussão atual é como os tomadores de empréstimos e os mercados emergentes “irão desarmar suas bombas-relógio”.

A dívida global é agora três vezes maior que o tamanho da economia mundial. Cresceu mais de 12% (US$ 27 trilhões) desde 2016, alcançando US$ 244 trilhões no terceiro trimestre de 2018. É equivalente a 318% do PIB, ligeiramente inferior ao pico de 320% no terceiro trimestre de 2016, conforme o Instituto Internacional de Finanças (IIF), entidade que representa as instituições financeiras.

O endividamento de governos e companhias chegou a níveis recordes relativo ao PIB, atraindo a atenção dos bancos centrais ao redor do mundo. Os dois segmentos representam mais de 75% do aumento da dívida global desde 2008.

A dívida total dos governos passou de US$ 65 trilhões em 2018, de US$ 37 trilhões há uma década, concentrado sobretudo entre países desenvolvidos. No mesmo período, a fatura a pagar das companhias não financeiras passou de US$ 27 trilhões a US$ 72 trilhões, sendo 92% do PIB, sobretudo nos mercados emergentes.

A elevação da dívida em outros setores tem sido menor: o crédito para as famílias cresceu mais de 30% para US$ 46 trilhões, e do setor financeiro aumentou 10% para US$ 60 trilhões.

Segundo o IIF, desde 2016 o endividamento cresceu mais rapidamente nas famílias nos mercados emergentes, totalizando US$ 12 trilhões. A China é responsável por 45% ou US$ 6,8 trilhões em termos normais. O crédito também explodiu para famílias na Índia, México, Coreia, Malásia e República Tcheca, além de países desenvolvidos como a França, Bélgica e Finlândia.

De acordo com o IIF, no caso da Brasil a dívida das famílias equivale a 27,2% do PIB, das empresas não financeiras fica em 40,6%, do governo chega a 87,3% e do setor financeiro é de 35,1% do PIB. O grosso dessas dívidas é em real. No caso específico das corporações não financeiras, 16,8% da dívida é em moeda estrangeira.

Uma discussão atual é sobre o risco potencial do crescente nível de dívida das empresas para a estabilidade econômica e financeira global. Cerca de US$ 6,5 trilhões da dívida desse segmento vence em cinco anos.

Nos emergentes especificamente, a necessidade de refinanciamento será alta. Cerca de US$ 3,9 bilhões de títulos de dívida e empréstimos sindicalizados vão vencer até o fim de 2020. Uma parte da dívida, US$ 800 bilhões, é de governos e US$ 1,9 trilhões do setor privado não financeiro, por exemplo.

As necessidades de refinanciamento em dólar são elevadas para a Colômbia, Egito, Nigéria, Líbano, Chile e Argentina.

Para o banco UBS, com os melhores níveis de capitalização dos bancos e requisitos de serviço da dívida gerenciáveis de hoje, não parece haver uma ameaça iminente da dívida para os mercados globais. Mas diz que a situação pode se deteriorar fortemente no caso de uma recessão. Nesse caso, o endividamento aumentaria ainda mais rapidamente, bancos centrais seriam obrigados a retomar a compra de ativos e aumentaria a pressão para os bancos comerciais elevarem seu capital próprio.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) publicou estudo de dois economistas sobre os passos para se evitar uma crise da dívida. Eles constataram que o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo, chegando a níveis não vistos desde a Segunda Guerra Mundial.

Martin Muhleisen e Mark Flanagan propõem três políticas prioritárias:

  1. primeiro, são necessários mais esforços para garantir que o endividamento soberano seja financeiramente sustentável.
  2. segundo, é preciso assegurar que todos os países divulguem informações completas e transparentes sobre sua dívida pública.
  3. terceiro, é preciso promover colaboração entre credores oficiais para que se preparem para casos de reestruturação da dívida envolvendo credores não tradicionais.

Continue lendo no  Blog Cidadania & Cultura

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Orkut
  • email
  • Add to favorites
  • Blogger

About Francisco Castro

Economista, especialista em finanças públicas e mestre em economia.
This entry was posted in Economia. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>