Para o jornal francês Le Monde, a Lava Jato está sendo a responsável pela fraqueza da economia brasileira

Rádio França Internacional - A edição desta quinta-feira (30) do jornal vespertino Le Monde traz uma reportagem sobre como a operação Lava Jato pode ter agravado a crise econômica do Brasil, com o título “A volta da ética fragilizou a economia”. O texto é assinado pela correspondente em São Paulo, Claire Gatinois.
Ela começa dizendo que a manifestação do domingo (26) contra a corrupção foi um fiasco. “Três anos depois da deflagração da operação Lava Jato, que revelou o tentacular sistema de propinas implicando colarinhos brancos e políticos na pilhagem dos caixas da Petrobras, o cansaço parece prevalecer sobre a sede por ética. Para uma parte da população, a operação é, em grande parte, responsável pela grave crise econômica do país”, escreve.
Entrevistado pelo jornal, o secretário da CUT (Central Unica dos Trabalhadores), João Cayres, diz que “a Lava Jato paralisou o país levando ao desemprego milhões de trabalhadores que eram irreprocháveis”. A correspondente ressalta que o sindicato é próximo ao PT (Partido dos Trabalhadores).
Cayres afirma que a falta de discrição dos policiais, que transformara a operação em espetáculo midiático, contribuiu para a redução do tecido industrial do país; “Não defendo os corruptos, mas, em outros lugares do mundo, condenamos os culpados, não a empresa no seu conjunto”, diz.
Para o Le Monde, “seria arriscado atribuir a queda de 9% do PIB desde 2014 e os cerca de 13 milhões de desempregados ao poder Judiciário”.” O ano de 2014, quando houve as primeiras prisões, foi também o ano da desaceleração do crescimento da China, parceiro importante do Brasil, e a queda de preço de matérias-primas, sobre as quais o país havia baseado sua prosperidade”, continua a reportagem.
Energia e construção
Gabriel Kohlmann, da consultoria Prospectiva, disse ao jornal que “a operação Lava Jato não foi a única responsável a mergulhar o Brasil na crise, mas afetou dois setores importantes: energia e construção, que contavam com 15% de investimentos em 2013″.
A correspondente escreve que “a descida ao inferno de grande atores econômicos, como a Petrobras e a empreiteira Odebrecht, dá uma ideia dos danos provocados”. “Desde 2015, a Petrobras vendeu ativos por 12,6 bilhões de euros e demitiu 13.655 empregados por meio de um plano de demissão voluntária. Na Odebrecht, os investimentos recuaram R$ 12 bilhões desde 2014, e o tamanho da empresa foi reduzido à metade. O diretor do grupo, Marcelo Odebrecht, se encontra na prisão.”
“A caça aos corruptos é louvável. Mas a lentidão e os métodos da Justiça perturbaram os negócios das empresas”, opina Nelson Marconi, economista da Fundação Getúlio Vargas. As dificuldades da Petrobras e da Odebrecht e de outras companhias, como a OAS ou a Andrade Gutierrez, afetaram empresas que dependiam das obras desses gigantes para sobreviver.
Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Orkut
  • email
  • Add to favorites
  • Blogger

About Francisco Castro

Economista, especialista em finanças públicas e mestre em economia.
This entry was posted in Diversos, Economia, Política. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>